segunda-feira, 4 de julho de 2016

"Praticar o desapego"

Há coisas que tento fazer desde que elas são pequeninas e uma delas,  das que considero mais importantes, é o estarem de vez em quando sem nós. Como diz a Isabel Saldanha, nada como praticar o desapego. Acho que faz bem a todos, a nós que temos algum tempo de sossego, fundamental para aguentar uma casa de 5. A elas porque nada como alguns dias de independência, alguns dias para controlar sentimentos, saudades e falta, para crescerem rijas e fortes, prontas para enfrentar tantos desafios. Um dia (aliás já houve esse dia) pedem para ir dormir a casa da amiga X e Y e aí como é? 
Ou não vão porque os pais são tão, mas tão galinhas que não imaginam uma noite sem um filho em casa. 
Ou vão e choram para ir buscar porque não estão habituadas a outras rotinas e a outras casas. 
Ou vão e todos ficam felizes com um programa divertido e próprio dos miúdos que crescem e já sonham com outras coisas que não bonecas, carrinhos e jogos de computador. 
Verdade?

Estarei sempre pronta para as ir buscar, estarei sempre com o coração uma parte apertado das saudades gigantes que sinto mal elas viram costas, mas também sei que dar-lhes asas só lhes está a fazer bem.
Quero miúdas que saibam que ter liberdade não é sinónimo de poder fazer tudo, quero sim que percebam que lhes damos votos de confiança e elas não nos vão deixar mal, que elas irão saber aproveitar da melhor maneira. 
São pequeninas é verdade, mas nada como começar cedo a praticar ;)


Mas não escondo, sou uma mãe que neste momento está cheiaaaaaaa de saudades de voltar a ter as 3 assim, comigo... (e só passaram 2 dias) ;)

Miúdas mais giras não há (aos meus olhos :) )

Carlota e Concha
Túnica: By mum

Caetana


Boas férias a todos os meninos que neste momento também não estão com os pais :)

Cacomae no Instagram @anadominguezlemos


29 comentários:

  1. Cá em casa fazemos o mesmo. Ora vão para a Colónia de Férias, avós, tios, padrinhos, mas acabam sempre por passar uns dias fora de casa e cada uma com o seu programa. Faz-lhes muito bem e quando chegam, vêm com mais vontade de estar juntas e de brincarem todas! É ótimo para elas e para nós, que acabamos por ficar uns dias a sós ou só com uma ou duas. Eu também tenho 3 meninas e faço o mesmo que a Ana.
    Beijinhos, Catarina.

    ResponderEliminar
  2. Queria tanto que a minha piquena aderisse a esses programas... Sou a primeira a incentivar, mas se não tiver a Mãe ou Pai ela não quer ir. Acho que é muito importante para eles. Estou consigo Ana, infelizmente só em espírito...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tente que numa primeira vez tenha a companhia de uma amiga que ela goste muito, ou algum primo ou prima ;) Ajuda :)
      Bjs

      Eliminar
  3. Eu dou a vidinha por uns dias a 2 mesmo estando a trabalhar! Chegar a casa, esticar o esqueleto no sofá e vegetar até apetecer mastigar alguma coisa sem ter que encostar a barriga ao fogão e beber um copo de vinho sem choros e birras à mistura. Adoro o meu filho e morro de saudades dele mas também adoro que ele se sinta bem em casa dos avós, tios e amigos de muita confiança. Não sou nada possessiva com ele tenho a certeza que este desapego pontual promove a independência das crianças. E a minha sanidade mental agradece :)

    ResponderEliminar
  4. E porque é que a Caetana nunca vai? ela não gosta Ana?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Caetana ainda não foi porque mandar 3 é muito diferente de mandar 2. # faz toda a diferença no trabalho que dá e ela sendo a mais pequenina ainda é a mais agarrada e quem eu ainda tenho receio que dê trabalho e estranhe. Acho muito chato passar isso para quem fica com elas. Uma coisa é aproveitá-las e gozar o bom que é ter sobrinhas e netas outra é ter um peso ;) É só por isso :) Gosto que todos se divirtam e aproveitem sem ter trabalho extra, extra ;) Bjs

      Eliminar
    2. Como a percebo Ana!!!! acho que é mesmo essa a ideia. Elas aproveitarem as férias grandes, programas diferentes, família, mimos, tudo num registo diferente, ao qual se adaptam tão bem...Perceberem que nas outras casas as coisas funcionam de forma diferente e que tem que cumprir. Deixo a minha Filha ir para todo o lado, desde que não pese, a obrigação de lhe dar bem estar é minha e não dos outros.

      Eliminar
    3. E mesmo mandar dois às vezes depende de como eles são os dois . Eu por exemplo durante muito tempo "não podia" mandar os mais velhos juntos porque estavam sempre a guerra

      Eliminar
  5. Também não me faz confusão nenhuma que a minha filha passe uns dias longe de mim, desde que esteja com alguém da minha confiança. Mas desde que a irmã nasceu que isso é impossível. Morre de ciúmes... E se souber que a irmã fica comigo, já não quer ir a lado nenhum. Por isso acho sempre estranho que a Conchinha e a Carlota vão sempre para fora e a Caetana fique. Nunca teve esse tipo de problemas com elas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não nenhum porque são elas que adoram e pedem ;) Por aqui há muitas chamadas de atenção, há vezes que o meu colo é mais cobiçado entre as duas mais novas, mas assim ciumes não há. Tenho sorte ;) Bjs

      Eliminar
  6. Pois eu também sou muito apologista disso, mas não tenho como o fazer.
    Não tenho família nem ninguém para onde mandar os miúdos.
    O máximo que consegui foi a mais velha, no passeio de final de ano do 4º ano, ter ido ao "my camp" e ter passado lá a noite. Foi uma enorme extravagancia, pois estão numa escola publica numa zona de população muito modesta. Mas a professora deste ano era fantástica e quis dar este enorme mimo aos miúdos. Por isso começámos a recolher fundos desde o inicio do 2ª período. E lá se conseguiu, apesar de ter sido um esforço muito grande para a carteira de todos (até porque foram todos os miúdos da turma, por isso cada um ajudou como pode os que mais precisavam).
    E ela adorou é claro. Estar uma noite com os amigos foi o máximo. E apesar de nunca ter ficado uma noite sem a família não teve problemas com isso.
    Mas la está, quando não se tem muitas possibilidades de fazer uma coisa deste tipo problemas como "ansiedade de separação" nem sequer se põem. Existem outras prioridades.
    Soubesse a Ana os problemas reais que os meus filhos vêm na escola e que realemente os perturbarm.
    (sim, porque podemos não ter possibilidade de os inscrever em campos de férias e colónias, mas felizmente temos saúde e somos muito felizes com o que temos)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podia alternar umas dormidas fora com as mães de umas amiguinhas da sua filha. Um dia recebia a anônima uma amiguinha da sua filha para dormir em vossa casa e outro dia ia a sua filha :)

      Eliminar
    2. Eu até posso ficar com as amiguinhas a dormir lá em casa, não tenho nenhum problema com isso. Mas infelizmente estas crianças são na maior parte de famílias disfuncionais e também de outras nacionalidades e etnias.
      Nunca apareceram nas festas de aniversário. Apesar de as crianças dizerem sempre que iam, eu depois falava com os pais à porta da escola e nunca consegui que os miúdos fossem.
      Da mesma forma que nunca vieram cá a casa (apesar da miúda querer muito), e nunca a convidaram para o que quer que fosse.
      Penso que não gostam de "misturas". Não são agressivos, nem mal educados, apenas não facilitam este tipo de contacto.

      Em relação ao post apenas tenho a dizer que nunca tive a preocupação de praticar o desapego. Desejosos estão eles de um dia podermos proporcionar-lhes uns dias numa colonia de férias.

      Eliminar
    3. Eu percebo. Já tive um filho meu numa escola como descreve e era muito complicado nesse aspecto, havia miúdos com vidas muito complicadas ...olhe, tem razão , prioridades : haja saúde e amor :) um beijo para si :)

      Eliminar
  7. Já eu sou ave rara. Custa-me mais a mim deixar o meu tesouro do que ela deixar-me a mim. Fica toda contente a dormir em casa dos avós. Eu passado duas horas morro de saudades. Para mim, mais de 24 horas sem ela é tortura. Fins de semana a dois? Nem pensar. Nós achamos que vamos ter tempo para isso, quando ela já for crescida e não quiser saber de nós para nada. Para já, com os 3 aninhos dela, ela é o nosso mundo e não queremos desapego de mais de umas horas :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se vocês como casal estão bem assim , evidentemente !!! Mas um dia , uma noite sabem bem para nos colocarmos a nós em primeiro lugar e ao casal, a nós faz-nos imensa falta um dia ou dois de vez em quando.

      Eliminar
    2. Um dia sim, dois não :) nós fazemos saídas a 2: jantares, concertos, cinema, isto sempre ao final do dia, em dias de trabalho (pq abdicar dela nas folgas, q são os unicos dias que podemos dedicar inteiramente a ela, nao nos parece bem nem gostamos). E estamos bem assim :) para nós essas horinhas são suficientes.

      Eliminar
  8. Ana adoro o seu blogue!
    Nem imagina como já me ajudou em algumas situações!
    Por aqui temos uma L com 5 anos! Filha única e com muitooo miminho :)
    Ficar sem ela uma noite era impensável para mim... Não via essa necessidade de descansar. Para mim ela era minha filha e não me estivava em nada na minha vida. Sempre a levamos para todo o lado e todas as viagens. É uma menina calma e sossegada.
    Até que comecei a ler por aqui as ferias das duas filhas com os avós e também da concha com a Z.
    Pensava para mim como é que a Ana era capaz...
    Até que um dia surgiu a oportunidade da pequena L ir de férias um fim de semana grande com os padrinhos para o Algarve, à beira de fazer 4 anos...
    Pensei durante 1 mês... Li e reli o deus postes, tentei converser me nas suas palavras que ia ser bom para todos, que ia correr bem, que eu ia gostar e ela também...
    A uns dias da data decidimos que sim! Ela ia com os padrinhos para 4 dias fora!
    Desde o dia que decidi até ao dia de a levarem, não dormi, mal comi.
    No dia não fui levá-la a casa dos padrinhos, não tive coragem, não quis que sentisse a minha insegurança.
    E ela foi, feliz e contente e sem noção da distância a que estava de nós....
    É nesse dia não sai do sofá, não conseguia fazer nada.... A noite foi pior... Não a ver na caminha dela....
    Falei com ela várias vezes no primeiro dia e ela sempre a despachar me... Ela estava feliz.
    A noite liguei e ela já estava a dormir, sem stress nenhum...
    Essa noite dormi mal mas no dia a seguir caiu me a ficha! Ela estava bem, feliz e contente e a divertir se!
    Nesse dia aproveitei, sai com o marido, passeamos, jantamos fora, fomos ao cinema sem pressa de voltar para casa, ainda fomos beber um copo, dormi muito bem essa noite.
    Passados os dias ela voltou, feliz e cheia de coisas para contar!
    Nesse dia decidimos que íamos deixa lá ir sempre que fosse possível!
    Neste momento e com 5 anos a L está com os padrinhos na republica dominicana. Muito longe eu sei! Mas está bem, ela está feliz!
    E eu estou feliz por ela... Cheia de saudades! Mas também a aproveitar os dias para mim e para o pai!
    Ainda não sou capaz de ir para algum lado e a deixar para trás, com avós ou tios... Mas já não me faz confusão que vá sem mim!

    Muito obrigada Ana, pelas suas partilhas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Irmos sem os filhos de férias um mês é uma coisa que para mim seria impensável , mas ir sem os filhos dois ou três dias sabe taaaaaaoooo bem. Eu já o fiz durante o tempo de aulas deles, por exemplo e voltei revigorada!!! Experimente :)

      Eliminar
  9. Nunca me assolou nenhuma culpa enquanto o sei feliz em casa dos avós e eu fico feliz a beber umas cervejas à beira mar! Ser feliz também é isso! Saber partilhar o amor

    ResponderEliminar
  10. Sou uma super mãe galinha de 2 "meninas" já crescidas e confesso, que tem-me custado muito a independência delas.
    Concordo e partilho da opinião que lhes faz muito bem "crescer" e vivenciar experiências novas que lhes dêem alguma independência mas fiquei muito triste e traumatizada com uma história verídica que se passou com amigos chegados. Por isso, aqui fica um conselho, tenham muito cuidado com as dormidas em casa de amigos.... nunca sabemos o que pode acontecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concerteza e é por isso que devemos falar de sexo com as crianças adaptando a linguagem à idade ! Ainda hoje na tv de manhã se falou nisso . Mas também não podemos desconfiar de tudo e de todos e colocá-los numa redoma. Nem tanto ao mar nem tanto à terra ,mas percebo perfeitamente o seu receio

      Eliminar
  11. E sem filhas, o que vai fazer à sua vida?
    Quem vai fotografar?! :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Preocupe-se lá com a sua vidinha, anónimo.

      Eliminar
  12. Em contagem decrescente para 15 dias nesse estado! As princesinhas lá de casa, duas manas super cúmplices, vão de férias para o Algarve uma semana com cada avô!! Nós, os pais, vamos ficar a trabalhar mas já tenho planos para ocupar os dias... sabe tão bem uma pausa das rotinas e chegar a casa e poder dizer...vou dar uma volta!! Beijo grande e que tudo corra bem e elas estejam felizes! Só isso importa!

    ResponderEliminar
  13. E o "desapego" surge naturalmente... principalmente quando chegam à adolescência. E o tempo passa rápido demais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo . Para mim seria uma irresponsabilidade expôr as minhas filhas a situações que podem ser perigosas.

      Eliminar
  14. Allo, adoro o seu blog,este post captou a minha atenção, o meu filho agora com 6 anos desde bebé que passa alguns dias com os meus pais,por isso sempre foi habituado,adora estar com os meus pais,não porque lhe fazem todas as vontades mas por tudo o que vivência.
    Desde o dia 8 de Outubro de 2015 que está com os meus pais e isso dói muito, estamos longe do nosso maior tesouro,ele lê em Portugal e nos em Londres,custou muito a 1 despedida,a segunda já foi mais contida por parte dele,afinal deixamos um bebé e regressamos temos um homenzinho! Boas férias e as suas miúdas são o maximo!

    ResponderEliminar