quarta-feira, 22 de julho de 2015

Uma suspeita real

Tenho a certeza que vacilei...não paro de pensar nisso e sim, vacilei.
Hoje na praia já mesmo no final do dia, quando elas tomavam o último banho na piscina pequena que o mar formou, ideal para as crianças estarem a brincar. Eu estava mesmo ali ao pé sentada na toalha quando reparei num homem a tirar fotografias. Na altura não sei bem porquê, porque pessoas na praia a tirar fotografias com máquinas ou telemóveis não faltam, reparei nele e achei qualquer coisa esquisita. Reparei mas pensei que estava ali a ver a mulher ou os filhos que também brincavam na água. Chamou-me apenas a atenção que ele se movimentava muito e sempre na direção onde as Cs. brincavam, que nessa altura andavam de um lado para o outro para aproveitar a piscina e o último banho. Já estava a olhar para ele quando a Carlota sai da água e vem ter comigo a perguntar porque estava aquele senhor a tirar-lhes fotografias. Eu tentei não ligar e disse que ele estava a tirar, mas era à família dele. Foi quando ela me diz:
- Não é não mãe, a família dele está ali no chapéu (mesmo pertinho de nós) a dormir, olha!
Quando olhei e vi que tinha razão chamei a Conchinha e vi que ele já estava também a virar costas e a subir. Trocámos olhares e logo ali suspeitei ainda mais (já devem estar a achar-me exagerada, mas sexto sentido de mãe não se engana e eu não devia ter vacilado pensando nestes passos todos). Fiquei a ver para onde ia e o que fez à máquina (tenho quase a certeza que era um telemóvel e que guardou numa capa azul turquesa na mochila).
Pensei 2 minutos no que fazer e apesar de ter um blog e as expor, naquele momento tremi e não gostei do que senti e do que me passou pela cabeça (tenho a certeza que muitas não vão entender e ainda vão fazer comentários maldosos).
Embrulhei-as nas toalhas e fui até aos nadadores salvadores da praia contar o que se passou. Eles perguntaram se achava que tinha a certeza e mesmo não tendo 100% (acho que nunca se pode dizer que se tem nestas situações) podia chamar a policia marítima para eles pedirem a máquina e ver as fotografias que lá estavam. Depois avançava ou não para uma queixa.
Disse que sim, eu não tremia se não fosse alguma coisa suspeita, não foram minhocas da minha cabeça, não podia deixar um episódio destes passar assim como se não tivesse sido nada.
Enquanto esperávamos ali sem que o suspeito nada percebesse, uma senhora, que viu veio ter comigo e com os nadadores salvadores, que já não saíram do pé de mim enquanto esperávamos a chegada da policia, para se oferecer como testemunha porque também ela viu o senhor suspeito ali a tirar-lhes fotografias. Nunca esperei nos dias de hoje que alguém tomasse esta atitude, mas ainda tomam e isso só mostra que ainda existem boas pessoas, com princípios e que pensam nos outros também. Ela própria disse se fosse comigo gostava que fizessem igual e eu sei o que vi.

A policia chegou e tudo foi muito rápido, o senhor colaborou, mas tudo o que mostrou nada tinha a ver com que tenho na minha cabeça que vi. A máquina que mostrou estava numa bolsa cor de rosa (eu tenho a certeza que o vi guarda um telemóvel numa bolsa azul) e o único telemóvel que mostrou foi o da mulher cheio de bonecos.
Na máquina, as fotografias que tinha eram da paisagem e sim também tinham crianças a brincar (não sei se as minhas lá estavam porque não me deixaram ver) mas como nenhuma era ao pé, não serviam como prova de nada.
Acabei por ter de pedir desculpas, acabei por me vir embora, e acabei por achar-me uma tonta. Tonta não por ter denunciado alguém que achei muito suspeito, tonta por ter vacilado e não ter insistido para verem mesmo tudo, tonta por não acreditar no que vi.
Estranho um casal e só um telemóvel!!!!! Nos dias de hoje cada um tem o seu, certo?O que fazem os nervos...eu devia ter acreditado em mim e na altura não devia ter ficado atrapalhada de não ver o que sei que vi. Devia ter visto que ele não abriu sequer a bolsa da mochila, que apenas despejou a cesta da mulher, que abriu a lancheira e tirou tudo e nada da mochila. BURRA.
Fica o alerta e estejam atentos, não é um post para assustar nem para vos pôr paranóicos, mas não deixem de agir e agir até ao fim, não pela metade como eu estou com a sensação agora.


Hoje com a sensação que não soube proteger as minhas filhas




Mesmo tendo um blog com fotografias acessíveis a quem quiser, ninguém tem o direito de fazer o que fez e isso ser-me indiferente. Sou mãe.







64 comentários:

  1. Nós temos sempre aquela mania de que nada acontece aqui em Portugal - só no estrangeiro - mas não é verdade.
    www.oaventalcorderosa.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Não se sinta culpada, agiu da melhor forma, com os nervos é difícil raciocinar como deve ser. No ano de 2010, aconteceu-me algo parecido, mas foi comigo. Estava eu deitada na praia a ler, cada vez que me levantava para ir ao banho (só no fim é que me apercebi que era comigo) um homem que até estava um pouco distante também se levantava e começava a tirar fotos com o telm, não liguei, pois também pensei o mesmo que a Ana, devia estar a tirar fotos à família. Há 3º vez fiquei atenta e vi que estava a tirar fotos a mim, bloqueei liguei para alguém para me ajudar qual a atitude a tomar, quando o sujeito me viu a ir em direção do banheiro, agarrou nas coisas e correu saiu da praia, fiquei irritada comigo, de não ter agido de outra maneira (o meu filho, depois disse-me: quando voltar a acontecer, pede à malta do SURF que eles agem logo, retiram o telm, ou máquina e aí sim chamam a polícia marítima. Até hoje estou sempre atenta. O colocar as fotos no blog ou em outro sitio, é uma opção da Ana, agora haver alguém que "rouba" aí já é uma entrada na nossa privacidade sem nossa autorização. Também foi numa praia da Costa, mas há sujeitos desses em todo o sitio e praias.

    Continuação de boas férias com as princesas lindas.

    ResponderEliminar
  3. "Esquisita" e "turquesa".
    Sim, agora é fácil falar, mas realmente se viu o que viu, porque não insistiu na mochila?

    ResponderEliminar
  4. Ana, esta vai ser uma noite cheia de se´s, o que é facto, é que agora todos os seus sentidos vão estar mais apurados e a partilha com o mundo inteiro é de um enorme acto altruísta.BEM HAJA

    ResponderEliminar
  5. Ana ,não se culpe.
    É a melhor Mãe das Cs! E elas sabem isso!
    Beijinho da Maria

    ResponderEliminar
  6. Existe sim uma máfia organizada que tiram fotos de crianças na praia, elaboram catálogos e, por encomenda, mandam raptar seguindo os veículos. Sei disso porque conheço advogados que já trataram desses casos. E porque também já tiraram fotos aos meus filhos na praia e a máquina fotográfica foi apreendida pela polícia marítima. Também nao cheguei a ver as fotos porque não me deixaram. Mas sim isso tudo existe e é verdade. Só não dá no jornal da noite. Porquê ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. provavelmente porque é um mito urbano...

      Eliminar
  7. Há dois anos aconteceu um caso real na praia da falésia em vilamoura.

    ResponderEliminar
  8. Aconteceu o mesmo num arraial dos santos populares, e quando confrontamos a mulher ela tinha fotos das nossas crianças na máquina!!! Obrigámos ela apagar as fotos todas (burramente) pq qnd a polícia chegou já não havia provas, mas apresentamos queixa! O pior é que eles depois já diziam que era mentira! Nunca tinham tirado as fotos! E nós que as vimos na máquina dela...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os ficheiros dos cartões, mesmo depois de eliminados, são recuperáveis. ;)

      Eliminar
    2. Eu acho k mais vale prevnir k remediar e fez mt bem :) mãe é mãe ;)

      Eliminar
  9. Era a palavra deles contra a nossa!
    Mas avançamos na mesma, especialmente qnd ela chegou ao pé do marido e ele apercebeu-se e atirou o tablet que tinha com ele ao chão, partindo assim o equipamento... Muito suspeito, não é?
    Eles são um casal por volta dos 50 anos e ele é português e ela brasileira ou vice versa

    ResponderEliminar
  10. Peço desculpa pelos erros na mensagem anterior mas foi da precipitação a escrever 😞

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que mania têm as pessoas de emendar os erros dos outros!!! Que interessa isso no contexto da história??? Acho que fez muito bem, e entendo o seu nervosismo, que fez com que não insistisse mais... Sou mãe e não sei se teria coragem para fazer o que fez! Parabéns!!! E não ligue aos que têm a mania de ser profs de português...

      Eliminar
  11. Acho que estiveste muito bem, primeiro estavas atenta, segundo ouviste a tua filha!! (muitos ignoram os filhos, acham que inventam), terceiro fizeste queixa, só foi mesmo pena não teres seguido o teu instinto até ao fim... provavelmente tinhas "assinalado" um pedófilo, mas no meio dos nervos e stress, essas reacções acontecem. Para que saibas, todos os estudos apontam que 90% ou mais dos ataques de pedófilos ocorrem em meio familiar (pais, tios, irmãos, avôs, vizinhos, amigos da família ou meios escolares), os restantes 10% é andar com o olho sempre em cima dos nossos filhos. Na minha modesta opinião não é por teres um blog que as tuas filhas estão mais expostas a esse problema, do que eu que não tenho blog.
    Cristina

    ResponderEliminar
  12. Boa noite Ana. Sou leitora do seu blog, mas nunca tinha comentado antes. A praiaos parques, o Jardim dos Jerónimos e o Jardim da Estrela são locais conhecidos como sendo"alvo" de gente mal intencionada que pode fazer mal aos nossos filhos. Sou mãe de três, tal como a Ana, e pelo menos estes dois últimos, São locais a evitar.
    Parabéns pelo blog e coragem em denunciar!

    ResponderEliminar
  13. "Proteger os nossos filhos" de Gavin de Becker... tudo o que conta esta neste livro, devemos confiar na nossa intuição de mãe, mesmo que ao fim esteja errada (o que as vezes pode acontecer) devemos agir e você o fez, foi mesmo muito corajosa... recomendo o livro... abraço

    ResponderEliminar
  14. Que situação! Acho que a Ana agiu miutíssimo bem. Se algum dia for confrontada com uma situação semelhante gostava de conseguir ter o sangue frio que a Ana teve. Eu nem sabia que os nadadores e a polícia nos podem ajudar numa situação destas. Fica um muito obrigado pela dica!

    ResponderEliminar
  15. Bom dia Ana , não se arrependa do que fez!agiu muito bem e ainda que não tenha conseguido provar a sua suspeita ( como diz é muito estranho hoje em dia um casal só com um telemovél) esse malandro pelo menos deve ter apanhado um susto.Todos os cuidados são poucos!bem haja pela sua atitude .

    ResponderEliminar
  16. Ana fez muito bem em chamar a policia e alertar para a situação aqui no seu blogue.
    Não sei se faz praia na linha de Cascais mas aconteceu recentemente numa daquelas praias e houve quem chamasse a policia marítima. O Senhor foi identificado e tinha fotos de inúmeras crianças no Telemóvel.
    Sou mae e o nosso sentido nunca nos engana. Não podemos vacilar.
    bj

    ResponderEliminar
  17. Ana, imagino a aflição! Não tenho filhos, mas tenho sobrinhos que já foram pequenos e muito extrovertidos e estavam sempre comigo!
    É verdade que o blog expõe as suas filhas, mas também é verdade que estes casos podem acontecer a todos. Não se martirize por isso.
    Espero que não aconteça mais alguma vez. Se acontecer, não vacile!!! No final, até pode estar enganada, mas tire as suas dúvidas todas! Se ficar mal na figura, paciência. O importante são as suas filhas e a sua consciência!

    ResponderEliminar
  18. É um horror! Aconteceu-nos o mesmo, à 2 anos, na praia da Falésia, Vilamoura...Não consegui controlar-me, até a policia chegar o "Sr. Besta", Estrangeiro, levou uma boas bofetadas… quando se apercebeu que tínhamos chamado a policia começou apagar fotos…eu tirei-lhe, de imediato, a maquina …e mais umas bofetadas!!

    ResponderEliminar
  19. Que situação surreal...
    Nem sei o que faria numa situação dessas...

    Beijinhos...

    ResponderEliminar
  20. Eu faria exatamente a mesma coisa e perante a situação ficaria também nervosa e faria tudo igual!
    Ana fez muito bem, beijinhos e proteja sempre as suas filhas. Afinal somos sempre umas mães leoas! :)

    ResponderEliminar
  21. Ana, imagino o que passou. Agora, como não há mais nada a fazer, tente esquecer. Mas esteja atenta a estas coisas, eu também vou ficar com as minhas filhas. Obrigada por ter partilhado. É um alerta importante. Infelizmente pode acontecer a qualquer um de nós e, por não estarmos à espera, a reação pode não ser aquela que, mais tarde, desejaríamos ter tido. Mesmo assim, acho que mediante as circunstâncias fez o que estava ao seu alcance!
    Tudo de bom para si e para as suas miúdas giras!
    Mónica

    ResponderEliminar
  22. Ana ainda bem que teve a presença de espírito de ir avisar os nadadores salvadores e de fazer este alerta para as pessoas estarem mais atentas a este tipo de situações.
    Porém e tendo em conta que tem um blog com bastante seguidores gostava que perceber em que é que é muito diferente um homem tirar um foto na praia às suas filhas e um homem vir aqui e copiar uma das fotos que tem publicada delas em fato de banho ou tanga na praia. Sem nenhum julgamento de valor para as decisões que toma em relação à segurança das suas filhas porque imagino que a decisão de as expor tenha sido tomada em família e analisando todos os riscos que acarreta. Sofia

    ResponderEliminar
  23. Acho que não deve sentir-se mal. É uma situação enervante e nem sempre temos a frieza para atentar a todos os pormenores. A polícia é que devia estar atenta a esses pormenores, quantos sacos e mochilas havia. Obrigada pelo post, vou estar muito atenta a essas coisas a partir de agora.

    ResponderEliminar
  24. Fez muito bem. Só foi pena não ter mencionado que o vira guardar o telemóvel numa outra bolsa para que a policia lha pedisse mas naquela altura e com os nervos não lembra tudo. Aposto como ele deve ter ficado á rasca pois não devia contar que chamasse a policia.
    Pode ser a mulher depois em casa lhe tenha pedido para ver o telemóvel já que ele mostrou o dela.
    Agora não pense que não soube proteger as filhas. Não podemos impedir que brinquem livremente na praia. Não podemos enfiar-lhes um poncho enquanto lá estão..

    ResponderEliminar
  25. Que medo e que coragem a sua! Bravo!
    Foi em que praia??

    ResponderEliminar
  26. Eu nem sei o que faria...acho que me passava completamente dos pirolitos!

    ResponderEliminar
  27. Li, fiquei chocada e já partilhei no meu blog.
    Não deve sentir-se culpada, fez o que deveria fazer e serve de exemplo a outras mães e pais que tenham o azar de ter essas aberrações por perto.

    ResponderEliminar
  28. Acho que fez muito bem, é importante dizer onde foi e FISIONOMIA dessa Gentinha e divulgar sempre.Deviam ser presos.

    ResponderEliminar
  29. não se sinta culpada, fez o que devia. culpada sinto-me eu por há poucos anos atras, e na praia de Carcavelos não ter chamado a policia. O meu filho estava na água brincando com a prancha, num dia daqueles em que se tem pé até bastante longe, fiquei na areia sentada a olhar para ele e percebi que por perto estava um adulto com um boneco na mão e o punha em cima da prancha do meu filho, pensei que fosse um pai ou conhecido da escola (na altura o miudo tinha uns 9/10 anos) e eu que há distancia comecei a perceber que o miudo queria sair da água e o individuo puxava a prancha não o deixando vir, levantei-me da areia e fui andando para a água e chamando o meu filho bem alto e nesse momento o homem afastou-se, atitude que não é a de pai de um amiguinho ...o miudo vinha nervoso e quis ir logo para casa, quando lhe perguntei quem era ou de que falou, disse que não sabia e nem me quis responder a mais nada, em casa depois de eu voltar a insistir, chorou e disse que o homem lhe tinha dito palavrões mas que não queria me dizer quais....ainda hoje sinto culpa por não ter ido ao encontro do individuo e questioná-lo porque o meu instinto também me alertou, por não ter voltado á praia e feito queixa, culpa por apesar de estar vigilante, não ter conseguido evitar que o meu filho passasse por situação tão infeliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por causa de uma situação identica com um dos meus filhos parti os dentes a um gajo, esse ficou marcado para sempre e nem queixa apresentou na policia por agressão, porque seria?

      Eliminar
  30. Que horror. Não tenho filhos, mas fiquei completamente arrepiada...

    ResponderEliminar
  31. Mãe leoa! Fez muito bem. Não se sinta mal, teve a presença de espirito para ir fazer queixa.

    ResponderEliminar
  32. Certamente que a mulher do senhor presenciou a situação e irá fazer perguntas...

    ResponderEliminar
  33. não fique assim não é da sua cabeça já me aconteceu duas x uma esrava com amigas e um dos nossos amigos deu conta e abordou a pessoa e da outra x estava a trabalhar (fazer praia com um Atl) e uma senhora veio ter cmg. fui ter com o sr. e obrigamos a apagar as fotos da máquina. Acredite no que vê e defenda sempre o que viu. Na verdade não é por estar com a mulher e filhos que não é um merdas de um mirone. Infelizmente acontece constantemente nas praias

    ResponderEliminar
  34. Não quero fazer um comentário polêmico até porque sou mãe de duas crianças pequenas e igualmente não gostaria de passar pelo que a Ana passou, porém sou uma amante da fotografia e já me aconteceu presenciar um por do sol fora e série em que, à contra luz, umas crianças que não as minhas, chapinam na água. A vontade de captar a alegria daquelas crianças num cenário idílico e fazer a fotografia perfeita é muito tentador. Mas retraio-me com receio de ser abordada pelas famílias. Este é um exemplo aqui no nosso País. Depois lembro-me da minha viagem à Ásia, em que fotografei crianças locais a brincar na praia, a correr pelos campos de bambú, a pastar os animais, em fila de farda e descalços a caminho de casa depois de saírem da escola... E penso... Trouxe umas boas fotografias desta viagem, mas e se nestes países menosdesenvolvidos já se falasse de rapto de crianças e pedofilia e as pessoas já fossem mais informadas do que efectivamente são... Teria eu tudo coragem para fotógrafa-las e fazer um álbum tão puro e genuíno daquelas paragens?! Não, jamais!

    Não digo que passar pelo que a Ana passou não seja agonizante, mas por vezes entramos em pânico e vemos coisas que podem ser perfeitamente inocentes. Claro que, mesmo na inocência, a reação de quem é confrontado é sempre esquisita e alvo de desconfiança, porque também as pessoas confrontadas podem entrar em pânico na presença da polícia.

    É um outro ponto de vista.

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Permita-me dizer-lhe uma coisa: Numa circunstância dessas sugeria-lhe que, mesmo depois de ter tirado as fotografias (para não perder o momento), informasse os pais que o tinha feito e pedisse aos pais autorização para ficar com elas. Penso que essa, sim, seria uma atitude normal e insuspeita.

      Eliminar
    2. concordo plenamente com o que disse!!!!eu tenho 40 anos...e ha uns 10 estava na praia da fonte da telha com um amigo,e vi 2 crianças sozinhas a brincar na areia proximo da agua,com os seus baldinhos e pázinhas,e,na maior das descontras eu tambem comecei a brincar com as crianças e com os seus brinquedos...ao fim de uns minutos pensei na figura que estava a fazer,pois as pessoas ao verem-me podiam pensar aquilo ridiculo,pois quem me visse sabia bem que eu nem sequer era familiar das crianças,pois elas eram negras...mas antes fosse so esse pensamento...depois outros pensamentos inundaram a minha mente....pensei,bem,daqui a mais alguns momentos estarao aqui os pais dos meninos a pensar que eu quero rapta-las ou que sou algum pedofilo,e imediatamente afastei-me.......e se eu tivesse continuado ali,como teria sido???fosse como fosse,eu estava a ter um bom momento com aquela brincadeira,com aquelas crianças,naquela praia,e devido ao ridiculo e panico que existe sobre estas situaçoes,eu,nao por temer algo,pois eu nao sou pedofilo nem ando por ai a raptar crianças,gostaria de saber se a senhora deste blog me visse a brincar com as suas filhas,qual eram os seus pensamentos sobre mim!!!os eventos da nossa sociedade afetam as pessoas como eu,que nunca fizeram mal a ninguem,mas que alheiamente nos sentimos culpados por nada,por coisas que nem fazemos ou pensamos fazer,apenas porque nos tiraram a liberdade em sermos nós mesmos...a nossa liberdade acabou,nao sei se por culpa nossa ou dos outros...é assim o mundo em que vivemos,meus amigos!!!

      Eliminar
  35. O ano passado aconteceu-me o mesmo. O meu filho tinha cerca de ano e meio e estávamos exatamente ao final do dia a disfrutar dos últimos banhos. Apercebi-me de um homem já com alguma idade que fotografava as crianças, inclusivamente o meu filho. Fixei-me nele ao ponto do incomodar, até ele desviar e sentar-se junto da sua mulher (que por sinal não tinham sequer nenhuma criança com eles - o casal tinha mais de 60 anos). Fiquei com vergonha de denunciar a situação mas ao mesmo tempo incomodada por sentir que estavam a fotografar o meu filho. Tenho a certeza. Passados poucos dias, saiu a noticia num jornal nacional alertar para esta questão e a fazer exatamente referencia a um casal de idade, na praia onde nós estávamos. Não, não foi uma ideia minha. Foi REAL e eu não lata de expor a situação. Damn on me!!!

    ResponderEliminar
  36. o seu texto despertou-me a atenção, passei por um episódio idêntico este verão passado e ás vezes recordo e penso que estaria paranóica, seriam coisas só da minha cabeça...por não ter a certeza do que era não alertei as autoridades mas se fosse hoje reagiria de forma diferente, num dia de Agosto estava eu na praia velha de São Pedro de moel, pertencente a Leiria, com a minha filha de sete anos e uma cunhada, esta praia é conhecida aqui na zona por ser a preferida das crianças porque faz uma lagoa ótima para elas brincarem, eu estava na areia a ver a minha filha brincar na água com mais umas poucas de crianças, quando vejo uma mulher dos seus trinta anos, não devia ter muito mais que isso, de origem asiática, a fotografar as crianças do grupo onde estava a minha filha, a principio não liguei pensei que fosse parente de algum dos outros miúdos, mas depois vi que ela não se dirigiu a nenhuma familia que lá estava e foi-se afastando sozinha pelo areal... perguntei a minha cunhada viste isto? a mulher não conheçe os miudos e anda a fotografá-los!? mas ela não tinha visto nada, estava a dormir, a "fotógrafa" já tinha ido embora e eu fiquei ali perdida em hipóteses e questões...

    ResponderEliminar
  37. Ana você fez tudo certo.Infelizmente em Julho deste verão na praia do Burgau aconteceu o mesmo com as minhas netas,estando elas acompanhadas pelas mães. Quando a minha filha reparou no homem,avisou a cunhada e foi logo retirar as meninas,o sujeito no momento estava novamente a preparar a máquina para tirar mais fotos e quando foca o sitio e já não as vê procura com o olhar as mesmas e dando de cara com a minha nora levanta-se apressadamente e desaparece da praia.Elas nem tiveram tempo de agir e mais tarde falando com a policia o conselho é fazer tudo o que a Ana fez.Elas também se culpabilizaram mas ninguém espera que isto aconteça,só estando muito alertadas. Aínda bem que publicou no seu blog pois ajuda a despertar para o problema que é mesmo real.

    ResponderEliminar
  38. Boa tarde.
    Deixo vários pontos à consideração:
    -Qualquer pessoa pode reter outra que tenha cometido um crime, até à chegada da policia.
    - NUNCA se fiem quando eles apagam as fotos. Em casa recuperam-nas em poucos minutos, mesmo formatando o cartão de memória.
    - Não os deixem apagar as fotos se a intenção é chamar a policia. Dessa forma tiram poder à actuação policial, que sem fotos ficam sem força para apreenderem equipamentos.
    - As dúvidas sobre se estarão a tirar fotos artisticas ou maliciosas poderão ser descartadas em vários pontos, como se estão a fazer com um telemóvel ou máquina profissional, pela atitude de dissimular ou estar à vontade etc.

    - E a mais importante, talvez. Ponham-se no lugar das pessoas abordadas e pensem como se sentiriam se fossem injustamente acusadas. Por isso abordem com subtileza (claro que com a presença de alguém a ajudar é mais seguro) e não acusem logo alguém de pedófilo aos gritos, pois não é com um "desculpe" posterior que acabam com a vergonha da pessoa a ser acusada de algo tão vil num local público.

    E aceitem também quando forem suspeitas de algo e as pessoas ou a policia forem esclarecer a situação. Uma pessoa de bem perceberá uma suspeita fundada e dará o devido.esclarecimento.

    Cumprimentos e estejam sempre vigilantes. Inclusivé com pessoas próximas e conhecidas. (Mas sem alarmismos e histerismos que impossibilitarão a sã convivência entre os vossos filhos com adultos, que são na sua maioria confiaveis)

    ResponderEliminar
  39. Compreendo a aflição e louvo a sua atitude em agir em conformidade com as autoridades, eu acredito que não conseguiria segurar meus nervos no momento em que o vê a ir-se embora e subir pela praia, o mais certo era ser eu própria, nos minutos seguintes, a abordá-lo.... Em situações inesperadas com nossos filhos ficamos inseguras, não se pode recriminar por não ter feito tudo bem (até porque as autoridades é que deviam ter esgotado todas as possibilidades!).

    ResponderEliminar
  40. Confesso que ao ler este post fiquei arrepiada e enojada. Que horror, eu não sei se me aguentava com uma coisa dessas. Percebo perfeitamente a sua atitude e nós perante estas coisas petrificamos mas...bem, eu até estou mal disposta só de imaginar.

    ResponderEliminar
  41. Há 7 anos atrás, fui com o meu sobrinho de 12 anos à praia. Sozinhos. O meu sobrinho era um menino muito magro, loiro e de olhos azuis e ambos estávamos acostumados a estar os dois. Chegámos cedo e não havia quase ninguém na praia. Eu deitei-me a ler numa espreguiçadeira e ele disse que ia molhar os pés. Ele adorava estar à beira mar a apanhar conchas e era capaz de passar horas naquilo. Deixei-o ir e fiquei a ler. Como não estava quase ninguém na praia, tinha total visibilidade para onde ele estava, apesar de estarmos a alguma distância. Felizmente não consegui tirar os olhos dele. De repente, um homem com uns 50 anos, magro, alto, que estava deitado numa toalha com uma mulher que deveria ter a mesma idade, levantou-se e começou a apanhar conchas ao pé dele. Congelei. Acho que estive uns segundos a pensar se estava a ver bem... De repente vejo-o a falar com ele e a estender a mão com qualquer coisa que deviam ser conchas. Não aguentei. Levantei-me de repente e fui com passo firme ter com o meu sobrinho. Chamei-o e pedi-lhe que viesse comigo. Estranhamente, ele levantou-se de imediato e veio (usualmente refilaria e diria "porquê??"). Pus-lhe o braço no ombro e subimos os dois em silêncio. Quando estávamos a chegar à espreguiçadeira onde estava a ler, o meu sobrinho perguntou: "porque me mandaste vir embora?". Eu respondi com outra pergunta: "o que te disse aquele homem?". Ele respondeu que lhe tinha oferecido umas conchas e que apareci logo de seguida. Não voltámos a falar do assunto. Apesar de só ter 12 anos, o meu sobrinho percebeu ! Logo de seguida peguei na pequena máquina fotográfica que tinha comigo e decidi fotografar o casal. Mas a minha máquina não tinha zoom suficiente, o casal estava de costas para mim e, passado uns 5/10 minutos, aquele casal levantou-se e foi-se embora (na minha convicção, com medo de alguma reacção da minha parte). Não deviam ser sequer umas 10h30 da manhã. Também eu fui ter com os nadadores salvadores e contei-lhes. Mas no meu caso desvalorizaram completamente até porque ele já não estava lá e eu não o conseguia identificar. Aparentemente ninguém o tinha visto ou conhecia.
    Também eu vacilei. De tal forma aquele momento que, não mais que 2/3 minutos durou, me marcou que hoje, passados 7 anos e 1 mês, o consigo descrever ao pormenor. Nunca me irei esquecer do horrível calafrio maléfico que senti, do pânico de alguém, um homem adulto, se dirigir a uma criança que brincava à beira mar. Nunca vou ter dúvidas. Eu sei. Não foi uma suspeita. Foi real !
    Felizmente o meu sobrinho é agora um brilhante jovem universitário, quase com 19 anos. Com certeza não se recordará daquele momento... Espero que não ! Eu nunca me vou esquecer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não podia ser simplesmente um homem bom, que adorasse crianças, que se lembrasse das suas próprias naquela idade, ou das crianças que a vida não lhe deu? Tenho de avisar o marido para virar a cara a filhos que não os seus, ele que adora fazer uma festa, perguntar qualquer coisa, fazer um elogio...a mim tb me gela que o possam confundir com um pedófilo...

      Eliminar
  42. A parte boa é que a mulher dele se não é cúmplice estará atenta ;)

    ResponderEliminar
  43. Sendo pai divorciado não controlo as amizades da minha ex-mulher, a mae da minha filha. Frequentamos a mesma praia ... e há uns Verões atrás tive que me aborrecer com um sujeito que insistia em brincar com minha filhota (uma amizade qualquer da parte da minha ex-mulher). Não achei normal o exagerado contacto fisico pois pegava muito na minha filha e de uma maneira que não me agradou nada... falei com a mãe e perguntei que confiança era aquela? A mesma não me deu nenhuma explicação para aquele comportamento, pelo que tive que alertar o sujeito que não tinha nada que brincar com a minha filha e que ela tem que brincar é com crianças da idade dela. Perguntei-lhe se ele queria brincar comigo??? Resolvi o problema... mas continuei por uns tempos de olho no individuo e curiosamente ele brincava com varias crianças, mas sempre meninas e curiosamente cheguei a ve-lo oferecer conchinhas (como no testemunho anterior)... Ainda fiquei um pouco apreensivo pois filhota assistiu a situação, mas hoje estou certo que ainda bem que assim foi pois fica com certeza que algo não estava certo e que foi protegida. Não podendo protege-los a todo o tempo o melhor é explicar-lhes ... posteriormente disse à minha filha que ela não tem nada que brincar com o ABCDEFG que é adulto... que tem que brincar é com meninas e meninos da idade dela! Fica mais um testemunho, não foi propriamente de animo leve que tomei a atitude mas a já estava a repetir-se e teve que ser!

    ResponderEliminar
  44. eu não sou mãe mas sou pai,e um belo dia de carnaval,reparo que um senhor so estava a tirar fotos ao meu filho.eu achei muito estranho e fui ter com ele..pedi-lhe para ver a camara fotografica e ele respondeu que só tinha fotos dos carros de canarva, ai então eu tiro-lhe a maquina das mãos e vejo as fotos e eram todas do meu filho,não havia nada de carnaval..apaguei as fotos todas e fiquei com o cartão...por fim dei-lhe um aviso de lembrança...por isso so tento dizer que acho muito bem proteger-mos os nossos filhos

    ResponderEliminar
  45. Acho que tomou a atitude correcta quantas fezes o mesmo individuo praticou o mesmo ato com outras pessoas que simplesmente não se aperceberam ou não tiveram a coragem denunciar a situação.

    ResponderEliminar
  46. Aconteceu este ano, no parque de campismo! O meu filho de 6 anos estava a encher uma garrafa de água nas torneiras do bloco de casa de banho no exterior, eu ia a chegar ao pé dele quando vejo 2 miúdas de uns 10/11 anos de tlm apontado ao garoto, não percebi de imediato, mas quando elas se aperceberam da minha presença reagiram de modo suspeito, desataram a fugir de mim, e quando fui atrás delas elas tinham desaparecido! Elas queriam fotografar o miúdo para quê? para colocarem um comentário junto da foto e fazerem os outros rir??! A intenção não era boa!! A questão é que não estamos livres, não somos!! Estas crianças de hoje em dia que começam logo a desenvolver o sentido de voyarismo, do gozo dos outros, da humilhação por detrás de um tlm, sim porque são cobardes!! Temos que denunciar sempre que nos incomodar!!!
    E acho que tomou a atitude certa!!!

    ResponderEliminar
  47. Sou mãe, e sei o que descreve a Ana quando sentiu este "sexto sentido" que algo estava mal. Fica sempre esta desconfiança de seremos apenas paranóicas e mães galinhas. Admiro a coragem dela!

    ResponderEliminar
  48. a sr.ª é uma idiota. não quer ser fotografada, feche-se em casa e tranque os seus filhos. esta sociedade anda completamente louca e paranóica.

    ResponderEliminar
  49. Cuidado! A Humanidade é como um Oceano. Não é por algumas gotas estarem contaminadas que o Oceano não é límpido. Estamos bombardeados por alarmismos exagerados e isso pode transformar-nos todos em suspeitos, o que tornaria a vida em Sociedade uma coisa abominável. Podemos até estar a inculcar nas crianças uma desconfiança soez que as tornará em adultos execráveis.
    Compreendo as mães e os pais que têm como preocupação principal a defesa dos seus filhos, mas tenho também muito medo das consequências das injustiças que este clima de desconfiança total está a criar.

    ResponderEliminar
  50. tem razão JC. Lendo estes coment

    ResponderEliminar
  51. Boas

    Deparei-me com uma partilha hoje na face, a sua, não conheço o seu blog, não sei quem é, mas de uma coisa tenho a certeza já somos duas.
    Não tenho filhos de idade alguma, mas frequento a praia, vou bem pertinho de casa e nunca tal tinha acontecido.
    Este ano, em Agosto estava eu muito bem deitadinha na areia, de costas para o mar quando nem sei porque levantei a cabeça para ver quem passava na rua que fica acima, e que tem um muro baixo do qual se vê a praia muito bem pois dista de apenas 2/3 mts de altura. Nem sei porque reparei num homem que tirava fotos do telemóvel à praia, mas não era à praia era a um miúdo de 3/4 anos de uma família ali ao meu lado, eles nem o viram.
    Nem sei porque mas deu-me aquele gelo no estômago e uma campainha na cabeça começou a tocar e a palavra Pedófilo a aparecer nos meus olhos, claro que como você, achei que era imaginação, levantei-me e segui-o porque entretanto tinha começado a andar, logo meia dúzia de passos adiante parou a tirar fotos a uma miúda da mesma idade, fui logo ter com os nadadores avisar das minhas suspeitas, tal como no seu caso eles ate já o tinham visto vestido na praia a tirar fotos, mas como não é anormal isso, não acharam estranho, só depois de eu falar começaram a relacionar, o homem entretanto começou a andar muito depressa e desapareceu de vista, no meu caso só conseguiram avisar os colegas para estar atentos, mas foram logo dizendo que caso chamassem a policia ia ser muito difícil provar algo, por isso eu não li todos os comentários e até talvez como alguns dizem esteja só nas nossas cabeças todo isto, mas se eu que nem sequer tenho miúdos senti aquele frio, que nem se sabe explicar só sentimos e pronto, alguma coisa vai mal, afinal a humanidade sobreviveu graças aos seus instintos. Não sejamos alarmistas, nem vejamos por um todos, mas vamos estar atentos, vale mais pedir desculpa que ser culpado.

    ResponderEliminar
  52. Como mãe não poderia deixar de publicar, é um alerta aos pais leiam !!!

    ResponderEliminar
  53. Ainda bem que publicou isto e que fez alguma coisa... Não se recrimine por não ter feito tudo. Ele é que foi uma grande besta por estar a fazer o que fez. Deve ter ficado todo contente por ter enganado toda a gente e ainda levar com um pedido de desculpas. Mas com a divulgação outras mães e pais podem ficar atentos. Muito obrigada por partilhar! De qualquer forma, também serviu de lição para si, porque não vai voltar a acontecer, e se voltar, não haverá enganos, nem nervos! Força! E tudo de bom para si e para as suas filhotas. R.R.

    ResponderEliminar
  54. Aconselho as pessoas que passarem por situação semelhante a tirarem uma foto a pessoa que está a tirar fotos aos filhos, deste modo fica com uma prova, se a pessoa não gostar diga que tem o mesmo direito pois os filhos são seus.

    ResponderEliminar
  55. Bem, obrigado pela informação, não se esqueça de visitar o meu blog também.
    QUEENXXX92

    ResponderEliminar